Vídeo sugere que prefeita de Morro do Chapéu ameaça professores e ela diz que conteúdo foi maldosamente editado - JITAÚNA EM DIA

EM DESTAQUES


Itagibá: Homem morreu por atropelamento na BA-650; corpo foi encontrado minutos depois

Foto: Reprodução/Giro Ipiaú Um grave acidente ocorrido na  BA-650,    por volta das 21h desta sexta-feira, (01/03)  trecho que liga Itagibá ...

03/01/2024

Vídeo sugere que prefeita de Morro do Chapéu ameaça professores e ela diz que conteúdo foi maldosamente editado

Fotomontagem: Rerodução

A prefeita de Morro do Chapéu, Juliana Araújo, foi acusada de ameaçar professores municipais após ter o vídeo de uma transmissão ao vivo editado e republicado nas redes sociais. A transmissão ocorreu no dia 14 de dezembro, onde a prefeita anunciou mudanças no plano de gestão das escolas municipais.

No vídeo divulgado nas redes sociais, as imagens de Juliana são editadas para que ela pareça estar ameaçando e coagindo servidores públicos. No entanto, as falas da gestora são referentes a dois temas diferentes e ocorrem em momentos distintos da transmissão.

No primeiro momento, a prefeita fala sobre a matrícula das creches e escolas municipais e declara: ”Vocês professores, que estão acostumados a ficar em sala de aula com os alunos pequenos, não dando aula, só lamento para vocês” e completa: ”Vocês que gostavam de dizer, que a gente não pagava isso, não pagava aquilo, mas não davam aula, não faziam um plano de aula, acabou essa vida”. Em seguida, a gestora cita o caso de uma professora que teria discriminado um aluno que tinha dificuldade de se comunicar verbalmente.

A segunda fala ocorre minutos depois, quando a gestora discute sobre os problemas envolvendo a oposição do governo e cita um projeto que não foi aprovado, mas que recebeu o apoio público. ”É assim que a gente governa: com o povo, não só para o povo. E oposição, beijinho no ombro pra vocês meus amores. Não queiram falar mal de mim e fazer fake news comigo’. Ainda sobre o tema, ela ressalta que o assédio moral contra as mulheres durante o período eleitoral é um crime federal, levando em conta que ela deve concorrer à reeleição.

Por meio de seu perfil nas redes sociais, nesta terça-feira (2), Juliana desmentiu a edição e alegou que ”A disseminação de informações falsas não só fere a minha honra e imagem, mas é também um ataque direto à democracia e à transparência que devem nortear nossa convivência em sociedade.” Saiba mais no Bahia Notícias

Nenhum comentário:

Postar um comentário