Van quebra e motorista deixa crianças em estrada vicinal para buscar ajuda; caso ocorreu em Jacobina. - JITAÚNA EM DIA

EM DESTAQUES


Homem é esfaqueado por companheira enquanto dormia; crime ocorreu na região sisaleira

Foto: Reprodução / Calila Notícias Um homem foi esfaqueado pela companheira na noite desta quinta-feira (16) em   Araci , na região sisaleir...

08/05/2024

Van quebra e motorista deixa crianças em estrada vicinal para buscar ajuda; caso ocorreu em Jacobina.

Foto: Reprodução
Um grupo de 15 crianças foram deixadas sozinhas em uma van de transporte escolar, em estrada vicinal da zona rural de Jacobina, no norte baiano. A van, que estaria quebrada, foi deixada pelo motorista, que saiu em busca de ajuda. O caso ocorreu na segunda-feira (06).

Segundo informações da TV São Francisco, afiliada da TV Bahia, as crianças estavam chorando e aparentavam desespero com a situação. As crianças, que saiam da escola em direção ao distrito de Junco, foram encontradas por uma moradora da região.

O local onde o carro ficou parado era escuro e com muito mato ao redor. Ficava a 6 km do destino final. Após uma falha mecânica no veículo, o motorista havia saído para buscar ajuda após o veículo apresentar um problema mecânico. Enquanto isso, uma criança de 10 anos teria ficado ”tomando conta” das demais. Após a chegada da primeira moradora, outros moradores locais foram ao local para cuidar das crianças até a chegada de outro transporte.

A reportagem, a Secretaria Municipal da Educação e Cultura (SMEC) de Jacobina disse que notificou a cooperativa responsável pelo transporte escolar e criou uma comissão para investigar os fatos que levaram o motorista e a monitora a não estarem no veículo, deixando os alunos descuidados.

A Coopimonte, por sua vez, negou descaso por parte do motorista e argumentou que a chuva provocou um problema mecânico no veículo. Segundo a cooperativa, o carro teria ficado parado por menos de meia hora. Com relação à monitora, eles alegaram que a funcionária havia faltado ao trabalho por questão de saúde, mas isso não havia sido comunicado aos superiores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário